Naturalismo, O
João Roberto Faria (autor)
J. Guinsburg (organizador)

R$ 145,00



O século XIX, com as profundas transformações materiais, sociais e políticas ocorridas em seu transcurso, foi o grande cadinho no qual, em todos os campos do conhecimento, das artes e das técnicas, as ideias entraram em efervescência e, num choque dos mais fecundos, abriram caminho para os modos de ser e de fazer no que veio a se tornar a modernidade. Nesse contexto, duas vertentes adquiriram particular significado no processo cultural do Ocidente: o romantismo e o naturalismo. Alimentadas, uma pela liberação das peias classicistas da tradição e do racionalismo ilustrado, que deu asas aos voos do seu imaginário mitopoético na conceituação e representação das individualidades coletivas – etnias, culturas, gênios nacionais etc. – e às elaborações psicocaracteriológicas de suas qualificações potencializadas e heroificadas da personalidade individual; e a outra, com base na crença da infinitude do progresso humano, pelo extraordinário desenvolvimento econômico, industrial e científico a consubstanciar-se nas propostas das várias versões do positivismo e do pragmatismo, geradas no seio da corrente realista que sempre permeou a criação artística e literária, com variações que vão de um objetivismo radical à tentativa de objetivar a subjetividade. Assim, era natural que o naturalismo fosse colher na biologia, na medicina, na psicologia, na sociologia e nas outras ciências alguns de seus conceitos fundamentais que, grosso modo, enquadraram, sem que se possa falar em determinação, suas produções. Todavia, levando a extremos seus ideologemas demarcadores, ele se expôs à dura crítica de seus opositores que, em média, acusaram-no de desconsiderar os mais altos e nobres valores estéticos e morais da sociedade. Não obstante, seu impiedoso bisturi crítico e suas escandalosas criações, na mimese de arte, exerceram enorme influência não apenas na França de origem, já que, transpondo fronteiras e oceanos, a visão de mundo e o modus faciendi naturalistas espalharam-se pela Europa e pelos quatro cantos do globo. Um dos principais motores/mentores dessa expansão foi, sem dúvida, Émile Zola, o escritor que com mais rigor e militância incorporou e expressou esse ideário em sua vasta obra romanesca, ensaística e dramatúrgica, cujo impacto falou pela pena e pela escritura de inúmeros autores em diferentes culturas, línguas e países. Daí a concepção que presidiu este volume da coleção Stylus.Coordenado por João Roberto Faria e por mim, ele se propõe a rastrear as linhas dessa irradiação e sua repercussão no Brasil, numa síntese que reúne especialistas das várias áreas do pensamento e das artes, compondo um panorama não só da época e de seus embates como do sentido desses movimentos, a seu modo inquestionavelmente estéticos, que se propunham a captar o espírito e as realidades da condição humana.
J.Guinsburg
Indicar este livro
 Gostaria de receber informes e promoções da Editora Perspectiva.
Dê a sua opinião sobre a obra
Antes de escrever seu comentário, leia, por favor, as regras e orientações sobre este espaço:

  • os comentários devem ater-se ao livro sobre o qual se refere e a temas estritamente relacionados a ele;
  • o texto deverá ter no máximo 700 caracteres;
  • a editora Perspectiva reserva-se o direito de não publicar comentários preconceituosos ou racistas, observações grosseiras ou que agridam a honra de qualquer pessoa ou grupo de pessoas, textos sobre opiniões de outros leitores, bem como informações de conteúdo comercial;
  • as críticas apresentadas passarão a ser de domínio do site da editora.
700 carac.
Sumário

Nota de edição
J. Guinsburg e J.R. Faria............................................9

PRIMEIRA PARTE
O Espírito do Tempo
1. Quadro Histórico do Período Naturalista
Luiz Nazario............................................................13
2. Os Fundamentos Filosóficos e Científicos
do Naturalismo
Newton Cunha........................................................39
3. Para uma Epistemologia do Naturalismo
Leda Tenório da Motta............................................49
4. Naturalismo e Vida Social:
a Cidade, o Comércio, a Moda e o Consumo
Ana Claudia de Oliveira............................................63

SEGUNDA PARTE
O Naturalismo na Literatura


O Naturalismo na França
1.  A Obra Literária dos Irmãos Goncourt
Gloria Carneiro do Amaral.....................................93
2.  As Ideias Literárias de Émile Zola
Célia Berrettini......................................................109
3.  O Romance Naturalista de Émile Zola
Célia Berrettini......................................................125
A Expansão do Naturalismo
4.  Eça de Queirós e o Naturalismo Português
António Apolinário Lourenço ................................145
5.  O Naturalismo na Espanha
María de la Concepción Piñero Valverde ...............169
6.  Verga e o Verismo Italiano
Mariarosaria Fabris .............................................183
7.  A Narrativa Naturalista na Alemanha
Helmut Galle ......................................................215
8.  O Romance Naturalista na Inglaterra
Sandra Guardini Vasconcelos ..............................229
9.  O Naturalismo Literário na Rússia
Anastassia Bytsenko ..........................................249
10.  O Naturalismo nos Estados Unidos
Marcos Soares ...................................................271
11.  A Narrativa Naturalista na América Espanhola
Naomi Lindstrom ...............................................285
O Naturalismo no Brasil
12.  A Recepção Crítica: Machado de Assis
e o Naturalismo
Gilberto Pinheiro Passos ....................................305
13.  A Obra de Aluísio Azevedo
Orna Messer Levin ............................................319
14.  Julio Ribeiro, Adolfo Caminha
e Inglês de Sousa Leonardo Mendes e  Sergio da
Fonseca Amaral............................................... 345
15.  Naturalismo e Regionalismo
Luiz Gonzaga Marchesan .................................365
16.  Sexualidade e Erotismo no Romance Naturalista
Marcelo Bulhões ..............................................385
17.  Raul Pompeia e o Naturalismo
Ivan Teixeira ...................................................397
18.  Euclides da Cunha: Um Naturalista Para Além do
Naturalismo.
J. Guinsburg, João Roberto Faria
e Luiz Henrique Soares ...................................413
19.  A Crítica e o Naturalismo: Araripe, Romero e
Veríssimo
Antonio Dimas ................................................425

TERCEIRA PARTE
O Naturalismo no Teatro


1.  A Dramaturgia Naturalista
João Roberto Faria ........................................451
2.  A Cena Naturalista
Walter Lima Torres ........................................481
3.  Stanislávski e o Naturalismo
Walter Lima Torres ........................................501

QUARTA PARTE
O Naturalismo e Outras Artes


1.  O Naturalismo no Cinema
Luiz Nazario .................................................525
2.  O Naturalismo nas Artes Plásticas
Annateresa Fabris .........................................555
3.  O Naturalismo na Arquitetura: Uma Abordagem
Historiográfica
Anat Falbel ...................................................589
4.  O Naturalismo na Música
Ibaney Chasin .............................................. 617
5.  O Naturalismo na Dança
Soraia Maria Silva ........................................  641
Cronologia do Naturalismo............................  665
Colaboraram Neste Volume......................... . 671

SOBRE O LIVRO
assunto: arte
coleção: stylus 14
formato: 18,5x20,5 cm
páginas: 680
acabamento: brochura
edição: 1ª 2016
peso: 854 g
ISBN: 9788527310819

Editora Perspectiva
Av. Brigadeiro Luís Antônio, 3025
Jardim Paulista, São Paulo - SP
01401-000
(11) 3885 8388

Contato

Preencha com o seu nome e e-mail e receba informações sobre a Editora Perspectiva.

Desejo receber informações sobre promoções, lancamentos e eventos da Editora Perspectiva

Redes Sociais

 

Copyright 2017, Editora Perspectiva